Xô Desemprego! Parceria entre MDS e entidades religiosas vai ajudar muita gente através do CadÚnico

Com a nova parceria entre o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social (MDS) e diversas entidades religiosas, o desemprego no Brasil pode diminuir significativamente, facilitando a obtenção de empregos para muitas pessoas.

Com a nova parceria entre o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social (MDS) e diversas entidades religiosas, o desemprego no Brasil pode diminuir significativamente, facilitando a obtenção de empregos para muitas pessoas.

Xô Desemprego! Parceria entre MDS e entidades religiosas vai ajudar muita gente através do CadÚnico

A iniciativa, intitulada Acredita no Primeiro Passo, promete transformar a vida de cidadãos inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) por meio de capacitação profissional, feiras de empreendedorismo e programas de mentoria.

O principal objetivo desta parceria é fornecer ferramentas e oportunidades para que os beneficiários do CadÚnico possam acessar melhores posições no mercado de trabalho. 

A cerimônia de assinatura do protocolo, realizada no Teatro Nova Iguaçu Petrobrás, contou com a presença de lideranças religiosas e autoridades governamentais, que reforçaram a importância dessa união para alcançar resultados efetivos.

Entre as ações planejadas, destacam-se os cursos gratuitos de capacitação profissional em áreas como beleza, informática, construção civil e culinária.

Como funciona o Acredita no Primeiro Passo

Essa parceria entre o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social (MDS) e diversas entidades religiosas busca oferecer microcrédito, capacitação profissional e suporte ao empreendedorismo.

O programa é dividido em quatro eixos principais:

  1. Microcrédito para Inscritos no CadÚnico:

    • Objetivo: Oferecer microcrédito para famílias de baixa renda, trabalhadores informais e pequenos produtores rurais.
    • Recursos: O Fundo Garantidor de Operações (FGO) disponibilizou R$ 1 bilhão para garantir parte dos riscos dos empréstimos e financiamentos. Em 2024, R$ 500 milhões serão investidos para apoiar esses microcréditos.
  2. Acredita no Seu Negócio:

    • Objetivo: Apoiar microempreendedores individuais (MEIs) e pequenas empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões.
    • Programas de Apoio:
      • Desenrola Pequenos Negócios: Renegociação de dívidas e acesso a crédito.
      • Procred 360: Linha de crédito especial com recursos de R$ 4 bilhões.
      • Pronampe: Expansão das linhas de crédito, especialmente para empresas lideradas por mulheres.
  3. Acredita no Crédito Imobiliário:

    • Objetivo: Melhorar o acesso ao financiamento de imóveis para famílias de classe média, que não se enquadram em programas habitacionais populares.
    • Estratégia: Ampliar o papel da Empresa Gestora de Ativos (Emgea) para atuar como securitizadora no mercado imobiliário, promovendo maior liquidez e disponibilidade de crédito no setor.
  4. Acredita no Brasil Sustentável:

    • Objetivo: Promover investimentos estrangeiros em projetos sustentáveis no Brasil.
    • Benefícios: Oferecer proteção cambial e linhas de crédito competitivas para projetos ecológicos, incentivando práticas ambientais sustentáveis.

Como se inscrever no programa Acredita

Para participar do programa, é necessário que os cidadãos estejam inscritos no CadÚnico. A inscrição pode ser feita nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) ou pelo site oficial do CadÚnico. As regras básicas incluem:

  • Renda Familiar: As famílias devem ter uma renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou uma renda total familiar de até três salários mínimos.
  • Documentação: É preciso apresentar documentos que comprovem a renda e a composição familiar.

O programa é destinado principalmente a:

  • Famílias de baixa renda inscritas no CadÚnico.
  • Trabalhadores informais.
  • Pequenos produtores rurais.
  • Microempreendedores individuais (MEIs) e pequenas empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões.

Além dos requisitos de renda, outras condições incluem:

  • Prioridade para mulheres, com 50% dos recursos destinados a mulheres empreendedoras.
  • Possibilidade de renegociação de dívidas vinculadas ao Pronampe e outras linhas de crédito.
Ariel França
Escrito por

Ariel França