PIX sob Ataque: Fraudes Explodem em 2024 e método para recuperar dinheiro cresce

Descubra o aumento alarmante de golpes com PIX em 2024 e saiba como se proteger. Conheça o Mecanismo Especial de Devolução (MED) e veja quais medidas tomar para evitar fraudes.

 

O PIX, sistema de pagamento instantâneo lançado pelo Banco Central, revolucionou como os brasileiros transferem dinheiro. No entanto, a facilidade de uso também atraiu criminosos, e os golpes envolvendo PIX dispararam em 2024. 

Conforme o Banco Central, 1,6 milhão de solicitações de estorno foram registradas até maio deste ano, correspondendo a 64% do total de pedidos de 2023.

Este aumento alarmante destaca a necessidade de medidas rigorosas para proteger os usuários do PIX. 

PIX sob Ataque: Fraudes Explodem em 2024 e método para recuperar dinheiro cresce

Posso perder meu Bolsa Família se eu deixar de votar?

Crescimento explosivo de fraudes no PIX

Os dados revelam um crescimento preocupante nos golpes envolvendo o PIX. Em 2023, mais de 2,5 milhões de pedidos de estorno foram registrados, e em 2024, apenas até maio, já temos 60% desse número.

As fraudes representam a maioria esmagadora dos pedidos de estorno, com 73% das solicitações relacionadas a fraudes, 8% a acessos e autorizações fraudulentos, 5% a transações não autorizadas, 2% a coerção em transferências, e 13% a outros motivos.

Embora apenas 0,007% das transações via PIX resultem em pedidos de estorno, o impacto para as vítimas é significativo.

Mecanismo especial de devolução (MED): uma arma contra fraudes

Em resposta ao aumento das fraudes, o Banco Central desenvolveu o Mecanismo Especial de Devolução (MED) em 2021.

Esta ferramenta permite que as vítimas de fraudes solicitem estornos até 80 dias após o incidente, proporcionando uma camada extra de segurança para os usuários do PIX.

Ao registrar uma solicitação, o banco bloqueia os recursos na conta do recebedor e investiga a reclamação em até sete dias. Se a fraude for confirmada, o reembolso pode ser processado em até 96 horas.

Como funciona o MED?

O MED opera em parceria com as instituições financeiras participantes do sistema PIX. Quando uma transação suspeita é identificada, o banco pode acionar o MED para iniciar o processo de devolução do valor.

 Este sistema não apenas protege os usuários contra fraudes, mas também reforça a confiança no PIX como um método seguro de transações financeiras. Para utilizar o MED, o consumidor deve seguir os seguintes passos:

  1. Registrar a reclamação: A vítima deve entrar em contato com sua instituição financeira para registrar a solicitação de devolução.
  2. Avaliação pelo banco: O banco avalia o caso e, se entender que se enquadra no MED, bloqueia os recursos na conta do recebedor.
  3. Análise da reclamação: A reclamação é analisada em até sete dias. Se não for constatada fraude, os recursos são desbloqueados. Se confirmada a fraude, o reembolso é feito em até 96 horas.

Prevenção: proteja-se contra golpes no PIX

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) recomenda que os usuários adotem medidas de segurança para evitar cair em golpes PIX. Algumas dicas importantes incluem:

  • Realizar pagamentos apenas em ambientes seguros: Certifique-se de que a loja virtual ou site onde você está realizando a transação é confiável.
  • Verificar os dados cuidadosamente: Antes de concluir uma transferência via PIX, sempre verifique os dados do destinatário.
  • Utilizar ferramentas de segurança no celular: instale aplicativos de segurança que possam detectar e prevenir fraudes.
  • Conscientização sobre práticas comuns de fraude: esteja atento a ligações ou mensagens suspeitas que solicitem transferências via PIX.

Segurança em primeiro lugar 

Com o aumento dos golpes envolvendo o PIX, é fundamental que os usuários estejam vigilantes e adotem práticas de segurança rigorosas. O Mecanismo Especial de Devolução (MED) é uma ferramenta valiosa que ajuda a recuperar valores em casos de fraude, mas a prevenção é sempre a melhor estratégia. Manter-se informado e cauteloso pode fazer toda a diferença na proteção contra fraudes financeiras.

 

Gilmar Penter
Escrito por

Gilmar Penter

Com uma carreira jornalística iniciada em 2013, Gilmar Penter se dedica a traduzir temas complicados, como economia popular, benefícios do governo e questões ambientais, para uma linguagem simples e acessível. Além da redação com SEO, têm passagens pelo rádio e experiências na produção audiovisual e em fotojornalismo.